Com a forte queda do Ibovespa em dezembro (-8,62%), o que determinou mais um ano de baixa (-2,91%) para o principal índice de ações da bolsa brasileira, a maior parte dos fundos de ações encerrou o ano de 2014 com prejuízo. Ainda assim, as melhores rentabilidades foram obtidas por alguns fundos de ações setoriais (que investem em apenas uma empresa ou em um determinado setor).

Dentre os investimentos de menor risco, como fundos DI, poupança, LCI, LCA, LFT (Tesouro Direto) e CDB-DI, LCI e LCA foram os que ofereceram melhores retornos, em grande parte devido à isenção de imposto de renda para pessoas físicas. Como exemplo, uma LCI ou LCA que paga 80% do CDI rendeu mais do que uma LFT do Tesouro Direto em 12 meses, considerando custos e impostos. O problema é que investidores com menos recursos dificilmente têm acesso a um destes papéis. Apresentamos a seguir uma tabela com as rentabilidades de investimentos conservadores como a poupança, LCI e LCA, LFT e CDB-DI, para que se possa comparar com os fundos de investimento, apresentados mais abaixo.

Melhores investimentos 2014

Melhores investimentos por rentabilidade 2014

*Alíquotas de imposto de renda (IR) utilizadas: 22,5% para o mês, 17,5% para o período de 2014 e 15% para os períodos de 24 e 36 meses.

No caso das LFTs, para facilitar a comparação, trabalhamos com as seguintes hipóteses:

- Preços negociados sem ágio ou deságio, ou seja, pelo valor ao par (valor inicial corrigido apenas pela taxa Selic do período);

- Rentabilidade apresenta-se líquida (já descontada) da taxa de custódia de 0,30% ao ano;

- Exibimos uma rentabilidade considerando uma taxa de corretagem de 0,5% ao ano (valor usualmente cobrado pelas principais instituições financeiras) e outra com taxa de corretagem de 0,0%, isenção oferecida por algumas corretoras.

No caso da LCI, da LCA e da poupança, exibimos as rentabilidades acrescidas do Imposto de renda (de acordo com a alíquota do período analisado: 22,5% para o mês, 17,5% para o acumulado de 12 meses de 2014 e 15% para 24 e 36 meses). Isto foi feito para permitir uma comparação justa entre todos estes investimentos, uma vez que as rentabilidades de LCI, LCA e poupança são isentas de imposto de renda para os investidores pessoa física. Assim, os valores apresentados nas tabelas estão sem o desconto do imposto de renda.

 
As rentabilidades dos fundos estão apresentadas nas tabelas abaixo, separadas por tipos de fundos: DI, de Renda Fixa, Multimercado, de Ações (divididos em Setoriais, que investem em apenas uma empresa ou um setor da economia, e Não-Setoriais), Cambiais e de Curto Prazo. Exibimos os fundos já classificados por ordem decrescente de rentabilidade em 2014. Além disto, também apresentamos a taxa de administração, valor mínimo de aplicação inicial, e as rentabilidades em dezembro e nos períodos de 24 e 36 meses.

O ranking de fundos é composto apenas por aqueles com as seguintes características:

- Distribuídos pelos seis maiores bancos de varejo do País (Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Bradesco, Itaú Unibanco, Santander e HSBC), pois são as instituições em que a maior parte dos pequenos investidores costuma aplicar seus recursos;

- Aceitam aplicação inicial de até R$ 10 mil, pois o nosso intuito é comparar as opções de investimento para o pequeno poupador. Fundos fechados para aplicação não foram incluídos;

- Voltados para investidores pessoa física e que não sejam oferecidos exclusivamente aos clientes do segmento de Private Bank.

 

FUNDOS DI

Dos 23 fundos DI, nenhum superou o CDI, 14 superaram a poupança ajustada pelo IR e apenas 1 não conseguiu superar a inflação do período medida pelo IPCA. O fundo que apresentou a maior rentabilidade em 2014 (10,35%) foi um da Caixa, que cobra uma taxa de administração razoavelmente baixa (0,7% ao ano, a menor taxa) e aceita aplicação mínima de R$ 2.500. Já o fundo DI com pior desempenho (5,57%) é justamente o que cobra a maior taxa de administração (5% ao ano), evidenciando que a rentabilidade de um fundo DI está diretamente relacionada à taxa de administração cobrada.

Ranking 2014 - fundos DI

Ranking 2014 – fundos DI

 

FUNDOS DE RENDA FIXA

Dos 32 fundos de renda fixa, apenas 2 renderam mais do que o CDI, 29 renderam mais do que a poupança ajustada pelo IR e nenhum perdeu para o IPCA. O fundo de melhor desempenho no período é gerido pelo Banco do Brasil com taxa de administração de 1,5% ao ano e aplicação inicial mínima de R$ 5.000. No entanto, por ser um fundo com alto risco, sua rentabilidade apresenta grandes variações, vide a rentabilidade acumulada em 24 meses que ficou em -0,98%, sinalizando um período passado de perdas.

Ranking 2014 - fundos renda fixa

Ranking 2014 – fundos renda fixa

 

FUNDOS MULTIMERCADO

De 30 fundos multimercado, apenas 3 superaram o CDI, 9 superaram a poupança ajustada e 10 não conseguiram superar o IPCA. 5 deles fecharam o ano com rendimento negativo. O fundo multimercado de melhor desempenho da amostra é um que investe no índice da bolsa norte-americana S&P 500, aproveitando o bom desempenho recente do mercado acionário americano, com ótima rentabilidade de 23,44% no ano.

Ranking 2014 - fundos multimercado

Ranking 2014 – fundos multimercado


 

FUNDOS DE AÇÕES

Separamos os fundos de ações setoriais dos demais fundos de ações com o intuito de facilitar a análise. Os fundos setoriais são aqueles que investem apenas em um único papel ou um único segmento da economia, como o financeiro ou siderúrgico, por exemplo.
Da amostra de 35 fundos de ações setoriais, 14 superaram o Ibovespa no ano, com destaque para os fundos que investem em empresas do setor financeiro (bancos, seguradoras e pagamento eletrônico). Por outro lado, 21 fundos apresentam prejuízo no ano, encontrando-se entre eles, aqueles que investem em Vale, Petrobrás e no segmento siderúrgico e de infra-estrutura. O fundo BB Ações Siderurgia é o que apresenta maior perda: 49,61%. Em relação ao CDI, são 6 os fundos que superaram este indicador.

Ranking 2014 - fundos ações setoriais

Ranking 2014 – fundos ações setoriais

Quanto aos demais fundos de ações, dos 52 da amostra, apenas 14 superam o Ibovespa, 2 superam o CDI e a poupança ajustada pelo IR, e 48 apresentam rentabilidade negativa.

Ranking 2014 - fundos ações não-setoriais

Ranking 2014 – fundos ações não-setoriais

- Acompanhe a variação do Ibovespa
 

FUNDOS CAMBIAIS

De 10 fundos cambiais, os 8 que investem em Dólar apresentam resultado positivo em 2014, com rentabilidades entre 9,10% e 12,06%, contra uma valorização da moeda norte-americana de 13,39%. Já os 2 fundos da amostra que investem em Euro, com a pequena valorização de 0,02% no ano desta moeda, têm prejuízo de 0,36% e 0,82% em 2014.

Ranking 2014 - fundos cambiais

Ranking 2014 – fundos cambiais

- Veja a cotação do dólar hoje
- Veja a cotação do euro hoje
 

FUNDOS DE CURTO PRAZO

Dos 10 fundos de curto prazo, 4 conseguiram superar a poupança ajustada pelo IR, mas nenhum chegou a render mais do que o CDI. 7 renderam mais do que o IPCA no ano. Como sempre, os melhores fundos desta categoria são exatamente os que possuem menores taxas de administração.

Ranking 2014 - fundos curto prazo

Ranking 2014 – fundos curto prazo

 

Observações:

- Rentabilidades passadas não são garantia de resultados futuros;
– Rentabilidade dos fundos é líquida da taxa de administração, mas ainda sem desconto do imposto de renda;
– Rentabilidade da poupança, da LCI e da LCA foram acrescidas de imposto de renda de acordo com a alíquota de imposto de renda para o período em questão, para que estes produtos possam ser comparados aos demais investimentos. Vale lembrar que poupança, LCI e LCA são isentas de imposto de renda para pessoas físicas;
– As informações aqui apresentadas não caracterizam recomendações de investimento;
– As decisões de investimento são de responsabilidade total e irrestrita do leitor. O site não pode ser responsabilizado por prejuízos oriundos de decisões tomadas com base nas informações aqui apresentadas.

 

Quer ver outras informações de fundos? Confira o Comparador de Fundos do Minhas Economias.

Caso queira comentar este e outros textos, por favor, encaminhe uma mensagem para contato@minhaseconomias.com.br