Neste último mês de junho, o título negociado no Tesouro Direto com a maior rentabilidade foi o Tesouro IPCA+ 2035 com ganho de 3,23%, seguido do Tesouro Prefixado 2021, com valorização de 3,11%. Os demais títulos renderam menos do que o CDI, e tanto o Tesouro IPCA+ 2019, quanto o de 2024, renderam menos do que a poupança.

Nos gráficos seguintes mostramos as rentabilidades dos principais títulos do Tesouro Direto:

 

Rentabilidade no mês

Tesouro Direto - Rentabilidade junho 16

Tesouro Direto – Rentabilidade junho 16

 

Rentabilidade no ano

Tesouro Direto - Rentabilidade no ano - junho 16

Tesouro Direto – Rentabilidade no ano – junho 16

 

Rentabilidade nos últimos 12 meses

Tesouro Direto - Rentabilidade 12 meses - junho 16

Tesouro Direto – Rentabilidade 12 meses – junho 16

 

Rentabilidade nos últimos 36 meses

Tesouro Direto - Rentabilidade 36 meses - junho 16

Tesouro Direto – Rentabilidade 36 meses – junho 16

 

Observações

No caso dos títulos públicos do Tesouro Direto, para facilitar a comparação e o entendimento, trabalhamos com as seguintes hipóteses:

- Inclusão apenas do Tesouro Selic (LFT), do Tesouro Prefixado (LTN) e do Tesouro IPCA+ (NTN-B Principal), por serem os títulos mais negociados pelas pessoas físicas;

- Rentabilidade apresenta-se líquida (já descontada) da taxa de custódia de 0,30% ao ano;

- Preços utilizados são os divulgados no site do Tesouro Nacional, já se considerando o spread existente entre os preços de compra e de venda;

- As rentabilidades apresentadas não estão descontadas da taxa de administração cobrada pelas corretoras (entre 0 e 2%).

 

No caso da poupança, exibimos as rentabilidades acrescidas do Imposto de renda de 15%. Isto foi feito para permitir uma comparação justa entre os investimentos, uma vez que a rentabilidade da poupança é isenta de imposto de renda para os investidores pessoa física. Assim, os valores dos demais investimentos apresentados nas tabelas estão sem o desconto do imposto de renda.