Hoje responderemos a mais pergunta recebida em nosso e-mail (contato@minhaseconomias.com.br) e relacionada com finanças pessoais. Vejam como ela foi formulada:

Pergunta:

Olá, tenho grandes problemas com dividas. Tenho uma renda mensal de 1.300 reais mas parece que todo mês gasto mais que isso. E também não tenho muito controle com o meu dinheiro: se eu quiser alguma coisa que me interessa, esteja eu precisando ou não, eu compro. Você poderia me dar alguma dica sobre como controlar melhor o meu dinheiro?

Resposta:

Realmente, aprender a gerenciar as finanças pessoais é um assunto que deveria ser ensinado já no ensino médio, uma vez que dinheiro faz parte de nosso cotidiano desde o dia em que nascemos (aliás antes mesmo disso…). Não se desespere pois, apesar de exigir um pouco de esforço pessoal, este assunto não é um “bicho de sete-cabeças”. E com a quantidade de informação que há na Internet, não é necessário contratar um curso e gastar dinheiro com isso.

Vamos dar algumas sugestões do que fazer para começar a tomar as rédeas de sua vida financeira:

1) Comece a anotar TODOS os seus gastos e também as receitas.Isso vale para cada real gasto e é necessário para você conhecer melhor aonde está indo o seu dinheiro e, com isso, identificar gastos desnecessários. Muita gente anota em papel ou em uma planilha eletrônica como o Excel, mas depois tem dificuldades para analisar suas despesas. O intuito do Minhas Economias é justamente facilitar isso, entre outras vantagens;

2) Estude seu padrão de gastos de modo a diferenciar ‘necessidades’ de ‘desejos’. Uma forma de fazer isso é dar notas de prioridade para cada item;

3) Com base nas prioridades, você pode elaborar um orçamento, que nada mais é do que estabelecer metas de gastos para cada categoria de despesas que possuir. Por exemplo, se você gasta R$ 300 por mês em supermercado, mas sempre inclui supérfluos em suas compras, você pode estabelecer uma meta de R$ 250 por mês e encarar o desafio de não gastar mais do que isso nessa categoria. Obviamente, há categorias que não será possível fazer cortes como condomínio e aluguel, a não ser que você mude de residência, o que pode não ser simples. Em outras categorias, no entanto, você certamente poderá fazer cortes mais profundos como gastos em restaurantes e/ou lazer;

4) Acompanhe periodicamente se seus gastos estão dentro do orçamento. O Minhas Economias, em breve, estará oferecendo esta funcionalidade, mas enquanto isso não ocorre, você pode fazer isso acompanhando suas despesas em nossos gráficos e relatórios;

5) Pesquise na internet dicas de como economizar em compras e outros assuntos relacionados a finanças pessoais. O MinhasEconomias também possui um blog (www.minhaseconomias.com.br/) com textos sobre diversos aspectos de finanças pessoais. Há também formas de se pagar menos impostos ou mesmo receber de volta parte de impostos pagos. É o caso de usar o benefício fiscal do PGBL ou dos créditos da chamada ‘Nota fiscal paulista’.

6) Previna-se contra imprevistos. Você pode achar que seguro é só uma despesa a mais, pior ainda se você não o utiliza. Saiba que a idéia por trás de um seguro é a de protegê-lo contra imprevistos, e imprevistos podem causar enormes prejuízos financeiros caso não tenha um seguro adequado. Vale a pena estudar e pesquisar os seguros existentes no mercado e ver quais são necessários para cobrir eventuais imprevistos em sua vida. Para os que sustentam família, é preciso ter um seguro de vida e seguro saúde. Se você possui um carro, vale a pena ter um seguro de automóvel;

7) Controle impulsos de compra. Antes de efetuar uma compra, pergunte se ela é realmente necessária. Caso seja, verifique se há recursos financeiros suficientes. E pergunte a si mesmo se a compra pode ser postergada por mais algum tempo. Na dúvida, caminhe mais um pouco para refletir melhor. Muitas vezes, postergar a compra um pouco que seja pode dar uma idéia mais clara da real necessidade da aquisição;

8) Não é necessário ser um ‘pão-duro’ nem é preciso abrir mão de lazer e das coisas boas da vida. Só é preciso ter equilíbrio. Muitas vezes gastamos muito dinheiro com coisas que nos dão pouca satisfação e acaba sobrando pouco dinheiro, pouco tempo e pouca saúde para as coisas que são realmente importantes na vida. Lembre-se que as pequenas decisões do dia-a-dia acabam por influenciar também a qualidade de vida presente e futura.

“A felicidade não é uma estação onde chegamos, mas uma maneira de viajar.” – Margareth Lee Rimbeuk

Esse assunto não se esgota facilmente e, por isso, estamos sempre trazendo novidades em nossa ferramenta e em nosso blog. Por favor, acesse nosso tutorial em http://www.minhaseconomias.com.br/tutorial/ e nosso FAQ em http://www.minhaseconomias.com.br/faq/ para aprender sobre o funcionamento básico do Minhas Economias. Você pode também nos contatar através do e-mail contato@minhaseconomias.com.br. Teremos muita satisfação em poder ajudar.