O nascimento de um filho é sempre um grande marco em nossas vidas. Na maioria dos casos, trata-se de uma mudança radical no estilo de vida, um caminho sem volta. A vida nunca mais será a mesma…

Quanto custa ter um filho?

Tenho dois meninos (um de seis e outro de dois anos) e resolvi estimar o impacto financeiro (passado e futuro) causado pelo meu filho mais velho em minhas finanças até ele ser independente, espero eu que isto aconteça logo após a conclusão do ensino superior…

A gastança com o primeiro filho é sempre maior. E com pais de primeira viagem fazendo compras então… A brincadeira começa com a compra de berço, trocador, carrinho de bebê, assento para carro, cadeira para refeição, banheirinha, mamadeira e outros pequenos acessórios. Total da conta: R$ 6.000. E com as novidades que surgem a cada ano, essa conta poderia ser muito maior.

Outros gastos relevantes:

– Remédios – R$ 4.000 (até agora!). Esses gastos variam muito para cada criança pois estão relacionados a fatores genéticos, ambientais, entre outros;

– Fraldas – R$ 5.000!!! Se seu filho “desfraldar” apenas aos três anos de idade e consumir um pacote grande de fraldas por semana: R$ 35 x 52 semanas x 3 anos = R$ 5.460…;

– Presentes de aniversário de amiguinhos – Até os 6 anos: R$ 2.500. E estes gastos são inevitáveis, pois todas as crianças acabam querendo fazer festa e seu filho fará questão de ir em todas. E claro, ele também irá querer a dele…;

– Festas de aniversário – Se fizer em buffet infantil, considere um gasto entre R$ 3.000 e R$ 5.000 por festa. No aniversário de um ano, os pais normalmente fazem questão de ter a festa. Já nos aniversários de 2 e de 3 anos, os pais até conseguiriam fugir deste gasto, mas daí em diante a criança é que fará questão de ter festa. Assim, 4 festas x R$ 5.000 = R$ 20.000 até o momento;

– Escolinha de natação e de futebol- R$ 7.000 até hoje. Se fizer natação até os 15 anos de idade: 9 anos x 12 meses x R$ 200 = + R$ 21.600 e sem considerar as despesas com vestuário. É, é duro formar um novo César Cielo;

– Médicos e dentistas – R$ 3.000, já descontados os reembolsos recebidos do convênio médico. Após “rodar” por diversos pediatras, finalmente minha mulher achou um no qual ela confia plenamente. Único defeito: só atende “particular”, isto é, não atende por convênio algum…;

– Convênio médico – Essa despesa também apresenta grandes variações pois depende de como esse benefício é cobrado pelo empregador. Caso você tenha que pagar o valor total até a “independência” do seu filho, pode-se “chutar”: R$ 100 x 12 meses x 23 anos = R$ 27.600

Por fim, há o item mais relevante: educação. Considerando-se um gasto médio mensal de R$ 1.000 e que a criança frequente a creche desde bebê, temos R$ 1.000 x 12 meses x 23 anos: R$ 276.000

Incluindo ainda gastos com viagens, vestuário, presentes (aniversário, dia das crianças e Natal), livros, lazer, etc, a conta total chega a mais de R$ 400 mil, provavelmente R$ 500 mil ao longo de 23 anos.

É claro que estas despesas variam muito em cada família pois dependem do padrão de vida, localização geográfica e preferências pessoais, entre outros fatores. Mas creio que já dá para entender que o gasto não é pequeno e exige um bom planejamento.

E depois de tudo isso, muitos podem até pensar que ter filhos é uma péssima idéia. Do ponto de vista financeiro, certamente. Mas às vezes me pego pensando em ter mais um filho, quem sabe uma menina. Vai entender…