Depois de ter realizado uma excelente compra, você já teve aquela sensação de que caiu em alguma espécie de armadilha preparada conscientemente para fazer você pagar mais ou comprar o que não deve? Isso é bem comum. Porém, mais comum ainda, é nem perceber estas táticas de venda que são usadas. Vamos descrever algumas delas, para que você as reconheça da próxima vez.

A prática de vender algo teve origem nas trocas de mercadorias, algo que se iniciou há muito tempo atrás. Desde então, a humanidade vem aprimorando as táticas de venda e, assim, não é de se assustar que hoje em dia isto é quase uma ciência. E o objetivo é sempre o mesmo: vender mais e mais caro.

Vamos descrever 3 destas estratégias de venda e dar algumas dicas para você tentar não cair nestas armadilhas do consumo.

1. Opções de preços sem sentido, mas que dão a sensação de uma ‘barganha’.
Vamos supor que estejam tentando lhe vender uma assinatura de um jornal ou revista. E lhe são oferecidas 3 opções:
– 1ª opção – Assinatura Conteúdo Digital (via internet) – R$ 89
– 2ª opção – Assinatura Conteúdo Impresso – R$ 149
– 3ª opção – Assinatura Conteúdo Impresso + Digital: R$ 149

Nos dias atuais, a 2ª opção não é lá muito útil. Claro que ainda existem as pessoas que gostam do jornal ou revista impressa, mas a grande maioria das pessoas já está migrando para a leitura digital.

armadilhas_interior

Entretanto, mesmo se você acessar predominantemente o conteúdo digital, digamos em mais de 90% das vezes, ainda assim a 3ª opção se mostra tentadora! Afinal, pelo mesmo preço do conteúdo impresso, você leva também o conteúdo digital!

A dica é sempre comprar somente o que for realmente necessário para você. Não compre nada a mais, mesmo que lhe pareça um ótimo negócio.

2. O bom e velho “9”.

Esta é aquela tática de sempre colocar o preço com o final 9. Por exemplo: R$ 59, R$ 199, etc.

Parece algo muito óbvio, certo? Quem cairia nesta “pegadinha”? Pois é, vários estudos mostram que esta estratégia realmente funciona e há casos em que o aumento de vendas foi até 24% maior.

Quer outra prova? Se não funcionasse, esta tática já não seria mais usada … e é fácil perceber que o que mais existe são preços terminando em “9”.

Curiosidade: o R$ 39 ainda vende mais que o R$ 39,90. Mas não sabemos se o R$ 39,99 se sairia melhor.

3. Alterando a percepção do ‘valor’.

Em uma campanha de doação de dinheiro para entidades filantrópicas, em qual dos casos abaixo você se sentiria mais motivado a doar?
– Doe R$ 1 por dia!
– Doe R$ 365 por ano!

No final, o valor doado é o mesmo. No entanto, as experiências indicam que o sucesso da campanha é bem melhor no primeiro caso.

As pessoas imediatamente comparam o valor que lhes é mostrado com a sua percepção de caro ou barato, sem fazer contas ou usar a matemática. Um real por dia é “percebido” como algo muito barato, dá só para comprar uma bala com isso (e olhe lá!).

Já R$ 365 …. bem, isso já daria para comprar bastante coisa!

 

Fonte: http://www.blueperks.com.sg/