O Ibovespa terminou o mês de dezembro com desvalorização de -1,81%, aos 87.887 pontos. Ainda assim, conseguiu fechar o ano de 2018 com alta de 15,03% no ano. Já o CDI, teve rentabilidade de 0,49% no mês, o que levou a um acumulado de 6,42% em 2018. Pela cotação do Banco Central (Ptax 800), o Dólar teve alta de 0,30% no mês, cotado a R$ 3,8748, enquanto o Euro subiu 1,33% cotado a R$ 4,4390. A poupança nova, por sua vez, apresentou ganho de 0,37%, acumulando 4,62% no ano.

 

Ibovespa

O Índice Bovespa terminou o mês com 87.887 pontos, -1,81% abaixo do fechamento do mês anterior e -2,15% abaixo do recorde histórico registrado em 3 de dezembro com 89.820 pontos.

 

Resumo do mercado dez-18 Ibovespa

Resumo do mercado dez-18 Ibovespa

 

Dólar

O dólar comercial (PTAX 800 venda, divulgado pelo Banco Central) encerrou o mês com alta de 0,30% cotado a R$ 3,8748. Com isto, a alta no ano passou para +17,13%, e +18,89% em 24 meses

Quanto ao dólar pela cotação de mercado, apresentou valorização de 0,49% no mês, cotado a R$ 3,8748. No ano, tem alta de +16,91%, e +19,24% em 24 meses.

 

Resumo do mercado dez-18 Dólar

Resumo do mercado dez-18 Dólar

 

Euro

Em relação ao Euro comercial (Bacen), esta moeda apresentou valorização frente ao Real de 1,33% no mês, cotada a R$ 4,4390. Com isto, passou a acumular alta de +11,83% no ano e +29,10% em 24 meses.

Quanto ao Euro apurado no fechamento de mercado, apresentou alta de 1,78% no mês, cotado a R$ 4,4485. Com isto, acumula alta de +11,85% no ano e +29.73% em 24 meses.

 

Resumo do mercado dez-18 Euro

Resumo do mercado dez-18 Euro

 

Renda fixa

Em relação aos indicadores financeiros de renda fixa, o CDI rendeu 0,49% no mês, acumulando ganho de 6,42% no ano e 17,01% em 24 meses. A taxa Selic rendeu 0,49% no mês, 6,43% no ano e 17,04% em 24 meses. Já a poupança nova entre 1º de dezembro de 2018 e 1º de janeiro de 2019 rendeu 0,37%. No ano, o ganho é de 4,62% e de 11,54% em 24 meses.

 

Indicadores financeiros dez-2018 Resumo

Indicadores financeiros dez-2018 Resumo

 

Em relação às taxas prefixadas, mostramos abaixo a evolução das curvas de juros através de 5 diferentes datas. O que se pode ver é que as taxas de juros estavam em um patamar bastante elevado no final de 2015, mas acabaram baixando significativamente no decorrer do ano de 2016 com a desaceleração da inflação. Já em 2017, as taxas de curto prazo caíram muito mais rapidamente do que as de longo prazo, mudando de forma acentuada o formato da curva de juros. Na comparação com a curva do final de novembro, a curva de 28 de dezembro apresentou baixa para todos os prazos.

 

Resumo do mercado dez-18 – Curvas prefixadas de juros

Resumo do mercado dez-18 – Curvas prefixadas de juros

 

Uma outra forma de acompanhar a evolução das taxas de juros é através das taxas médias de CDI esperadas para os próximos anos, extraídas a partir do mercado futuro de DI (negociado na BM&F Bovespa). O gráfico abaixo mostra estas expectativas nas mesmas 5 datas apresentadas no gráfico anterior. Para 2019, por exemplo, trabalhava-se com um CDI médio de 16,59% no final de 2015, caindo significativamente para 11,50% ao ano em 29-dez-16 e, com a melhora da situação política e fiscal, chegou a 9,28% no final de dezembro. Em novembro, esta taxa passou para 7,04% e, em dezembro, ela caiu para 6,55%, o que mostra que a expectativa do mercado é de leve alta na Taxa Selic no decorrer do próximo ano. Para os demais anos, as taxas estão significativamente mais baixas do que no mês anterior. Para o ano de 2022, por exemplo, as taxas passaram de 12,21% no final de 2016 para 11,32% no final de 2017 e depois para 10,41% no mês passado, caindo ainda um pouco mais para 9,90% em dezembro, sinalizando o otimismo do mercado.

 

Resumo do mercado dez-18 – Expectativas anuais de CDI

Resumo do mercado dez-18 – Expectativas anuais de CDI

 

Inflação

Quanto aos índices de inflação, o IGP-M de dezembro variou –1,08%, levando a um acumulado em 12 meses de +7,53% (contra +9,68% no mês anterior e –0,52% 12 meses antes). Já a expectativa de mercado em relação ao IPCA é que ocorra variação de 0,10% no mês (divulgado pelo Comitê de Acompanhamento Macroeconômico da Anbima), o que geraria uma variação em 12 meses de 3,69%, significativamente abaixo da meta de inflação, que é de 4,50%. A divulgação do IPCA de dezembro será realizada em 11 de janeiro.

Resumo do mercado dez-18 Inflação 12 meses

Resumo do mercado dez-18 Inflação 12 meses

 

Acompanhe as rentabilidades dos principais indicadores financeiros em diversos períodos nas tabelas abaixo.

Rentabilidades mensais

Indicadores financeiros dez-2018 Rentabilidades mensais

Indicadores financeiros dez-2018 Rentabilidades mensais

 

Rentabilidades anuais

Indicadores financeiros dez-2018 Rentabilidades anuais

Indicadores financeiros dez-2018 Rentabilidades anuais

 

Rentabilidades acumuladas

Indicadores financeiros dez-2018 Rentabilidades acumuladas

Indicadores financeiros dez-2018 Rentabilidades acumuladas

 

* Rendimento para depósitos feitos no 1º dia do mês. Poupança nova: depósitos a partir de 04/mai/12.
** Variação do IPCA para dez/18 baseada na expectativa média apurada pelo Comitê de Acompanhamento Macroeconômico da ANBIMA