Mesmo com a perda de -2,37% em março, o Tesouro IPCA+ 2035 (NTN-B 150535) continua tendo excelente rentabilidade no ano, acumulando 10,61% de ganho nos 3 primeiros meses de 2017. Já o Ibovespa, apresenta valorização de 7,90% no ano, apesar da perda de -2,52% em março. Na ponta oposta, o dólar e o euro, pela cotação de mercado, desvalorizaram -3,65% e -2,96% no ano, respectivamente.

Na renda fixa, o CDI tem ganho de 3,03%, enquanto a poupança rendeu 2,41% (já com a rentabilidade corrigida pela alíquota de 22,5% do imposto de renda, para que possamos comparar com os demais investimentos não-isentos de IR). Já a variação do IPCA foi de apenas 0,96%. No gráfico abaixo, exibimos as rentabilidades acumuladas de diversos investimentos nos 3 primeiros meses de 2017.

 

Melhores investimentos 2017 – acumulado jan-mar

Melhores investimentos 2017 – acumulado jan-mar

 

Na tabela abaixo, exibimos as variações para outros períodos.

Melhores investimentos 2017 – março

Melhores investimentos 2017 – março
*Alíquotas de imposto de renda (IR) utilizadas: 22,5% para o mês e para 2017, 17,5% para o período de 12 meses, e 15% para os períodos de 24, 36, 60 e 120 meses.

 

No caso dos títulos públicos do Tesouro Direto, para facilitar a comparação e o entendimento, trabalhamos com as seguintes hipóteses:

- Inclusão apenas do Tesouro Selic (LFT), do Tesouro Prefixado (LTN) e do Tesouro IPCA+ (NTN-B Principal), por serem os títulos mais negociados pelas pessoas físicas;

- Rentabilidade apresenta-se líquida (já descontada) da taxa de custódia de 0,30% ao ano;

- Preços utilizados são os divulgados no site do Tesouro Nacional, já se considerando o spread existente entre os preços de compra e de venda;

- As rentabilidades apresentadas não estão descontadas da taxa de administração cobrada pelas corretoras (entre 0 e 2%).

 

No caso da LCI, da LCA e da poupança, exibimos as rentabilidades acrescidas do Imposto de renda (de acordo com a alíquota do período analisado: 22,5% para o mês e para 2017, 17,5% para o período de 12 meses, e 15% para 24 meses e acima). Isto foi feito para permitir uma comparação justa entre todos estes investimentos, uma vez que as rentabilidades de LCI, LCA e poupança são isentas de imposto de renda para os investidores pessoa física. Assim, os valores dos demais investimentos apresentados nas tabelas estão sem o desconto do imposto de renda.

 

As rentabilidades dos fundos estão apresentadas nas tabelas a seguir, separadas por categorias: DI, de Renda Fixa, Renda Fixa Simples, Renda Fixa Índices de Preços, Multimercado, de Ações (divididos em Setoriais, que investem em apenas uma empresa ou um setor da economia, e Não-Setoriais), Cambiais e de Curto Prazo. Dentro das categorias, ainda separamos os fundos por faixas de aplicação inicial: até R$ 1.000, de R$ 1.001 a R$ 10.000 e de R$ 10.001 a R$ 100.000. Os fundos estão classificados por ordem decrescente de rentabilidade no ano, dentro de cada faixa. Como informações complementares, exibimos a posição dentro da faixa, a posição dentro da categoria, a taxa de administração, valor mínimo de aplicação inicial, e as rentabilidades no último mês e nos períodos de 12, 24, 36, 60 e 120 meses.

 

A amostra de fundos é composta apenas por aqueles com as seguintes características:

- Distribuídos pelos cinco maiores bancos de varejo do País (Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Bradesco, Itaú Unibanco e Santander), pois são as instituições em que a maior parte dos pequenos investidores costuma aplicar seus recursos;

- Fundos fechados para aplicação não foram incluídos;

- Voltados para investidores pessoa física e que não sejam oferecidos exclusivamente aos clientes do segmento de Private Bank.

 

FUNDOS DI

Dos 35 fundos DI da amostra, 29 superaram a rentabilidade da poupança ajustada pelo IR, mas nenhum conseguiu superar o CDI neste período. Dentre os 10 melhores fundos DI, 9 aceitam aplicações iniciais a partir de R$ 20 mil ou mais e nenhum deles cobra taxa de administração acima de 1% ao ano. Analisando um período mais longo, 60 meses, apenas 4 de 29 fundos não conseguiram superar a variação de 49,62% da poupança ajustada pelo IR (15%). São exatamente aqueles que possuem as maiores taxas de administração (acima de 2,5% ao ano).

 

Melhores investimentos 2017 – março Fundos DI

Melhores investimentos 2017 – março Fundos DI

 

FUNDOS DE RENDA FIXA

Dos 53 fundos de renda fixa (exceto os indexados, simples e de curto prazo), 51 conseguiram superar a rentabilidade ajustada da poupança, mas apenas 16 superaram o CDI no ano. Analisando o período de 60 meses, apenas 2 de 41 fundos renderam menos do que a poupança ajustada pelo IR (49,62%), justamente os que possuem as maiores taxas de administração (3,5 e 3,8%). Na comparação com o CDI, que rendeu 68,49% neste período, apenas 3 obtiveram rendimento superior, dois deles com taxa de administração de 0,5% ao ano apenas.

 

Melhores investimentos 2017 – março Fundos de renda fixa

Melhores investimentos 2017 – março Fundos de renda fixa

Melhores investimentos 2017 – março Fundos de renda fixa

Melhores investimentos 2017 – março Fundos de renda fixa

 

FUNDOS DE RENDA FIXA SIMPLES

Os fundos de renda fixa simples foram criados para serem uma opção aos investidores iniciantes com poucos recursos, sem requerer o preenchimento de formulário para verificar o perfil do cliente. São fundos de baixíssimo risco, investindo primordialmente em títulos públicos federais e títulos de renda fixa com baixíssimo risco de crédito e de mercado. Na comparação com fundos mais antigos, as taxas de administração são mais baixas, mas ainda assim são bastante altas, variando entre 1,5% e 2,5% ao ano nos grandes bancos. Como nos fundos DI e de curto prazo, a taxa de administração é a principal explicação para as diferenças de rentabilidade entre os fundos desta categoria. Da mesma forma que os fundos DI, os fundos de renda fixa simples com melhor rentabilidade são sempre os que cobram as menores taxas de administração. De nossa amostra de 7 fundos, 6 superaram a poupança ajustada, todos com taxa de administração igual ou inferior a 2,2% ao ano.

 

Melhores investimentos 2017 – março Fundos de renda fixa simples

Melhores investimentos 2017 – março Fundos de renda fixa simples

 

FUNDOS DE RENDA FIXA ÍNDICES DE PREÇOS

Os fundos de renda fixa indexados a índices de preços foram segregados dos demais fundos de renda fixa por, em geral, apresentarem maior risco de mercado. Dos 11 fundos da amostra, todos superaram não só a poupança ajustada pelo IR, como também o CDI. Dos 5 melhores fundos, 4 exigem aplicações iniciais superiores a R$ 10 mil. Analisando o período de 60 meses, 8 de 9 fundos superaram a poupança, e apenas superou o CDI (68,49%).

 

Melhores investimentos 2017 – março Fundos de renda fixa índices de preço

Melhores investimentos 2017 – março Fundos de renda fixa índices de preço

 

FUNDOS DE CURTO PRAZO

Os fundos de curto prazo com melhor rentabilidade são sempre os que cobram as menores taxas de administração. De nossa amostra de 8 fundos, apenas 4 superaram a poupança ajustada, todos com taxa de administração igual ou inferior a 2% ao ano. Em relação ao CDI, nenhum deles conseguiu superar esta taxa, como vem ocorrendo há alguns anos. Para o período de 60 meses, apenas 3 de 7 fundos conseguiram superar a poupança e nenhum conseguiu bater o CDI.

 

Melhores investimentos 2017 – março Fundos de curto prazo

Melhores investimentos 2017 – março Fundos de curto prazo

 

FUNDOS MULTIMERCADO

35 de nossa amostra de 47 fundos multimercado conseguiram superar o CDI e 40 obtiveram rentabilidade melhor do que a da poupança ajustada. Analisando o período dos últimos 60 meses, apenas 6 de 33 fundos conseguiram superar o CDI. Em relação à poupança ajustada pelo IR, 25 fundos foram melhores.

 

Melhores investimentos 2017 – março Fundos multimercado

Melhores investimentos 2017 – março Fundos multimercado

 

FUNDOS CAMBIAIS

Com a desvalorização de -3,65% no ano, os fundos cambiais em dólar figuram entre os piores investimentos de 2017, com perdas entre -15,75% e -18,35%. Já os fundos indexados ao Euro acumularam perdas ainda maiores: entre -2,53% e -3,91%. No entanto, para os períodos mais longos, todos os fundos cambiais apresentam ganhos, com destaque para aqueles com as menores taxas de administração.

 

Melhores investimentos 2017 – março Fundos cambiais

Melhores investimentos 2017 – março Fundos cambiais

 

FUNDOS DE AÇÕES NÃO-SETORIAIS

O fundo mais rentável deste segmento no ano é um de Small Caps, com 15,48% de ganho, apesar de cobrar taxa de administração de 3% ao ano. Na comparação com o Ibovespa, 20 dos 54 fundos superaram este índice neste ano. Na ponta oposta, com os piores desempenhos, ficaram os fundos que investem em BDRs com retornos entre -0,62% e -1,09%. Analisando o período de 60 meses, 25 de 45 fundos apresentaram resultado pior que o Ibovespa (0,73%), sendo que o melhor apresentou ganho de +152,65% (Bradesco FIC FIA BDR Nível 1), coincidentemente o mesmo que teve o pior desempenho neste ano.

 

Melhores investimentos 2017 – março Fundos de ações não-setoriais

Melhores investimentos 2017 – março Fundos de ações não-setoriais

Melhores investimentos 2017 – março Fundos de ações não-setoriais

Melhores investimentos 2017 – março Fundos de ações não-setoriais

 

FUNDOS DE AÇÕES SETORIAIS

Dos 29 fundos desta categoria, 8 apresentaram perda no ano e 15 superaram o Ibovespa. No topo da lista aparecem fundos que investem em ações de empresas do setor de construção civil. Com os piores resultados, aparecem todos os fundos que investem apenas em ações da Petrobrás. Analisando o período de 60 meses, tem-se apenas 10 de 27 fundos com ganhos, em sua maioria investindo em ações do setor financeiro.

 

Melhores investimentos 2017 – março Fundos de ações setoriais

Melhores investimentos 2017 – março Fundos de ações setoriais

 

Quer ver outras informações de fundos? Confira o Comparador de Fundos do Minhas Economias.

 

 

Caso queira comentar este e outros textos, por favor, encaminhe uma mensagem para contato@minhaseconomias.com.br