Finalmente sobrou um dinheiro no final do mês e você não vê a hora de investi-lo na melhor aplicação possível! E então você começa a pesquisar as opções de investimento e …. fica mais confuso ainda!

As inúmeras opções de investimentos e previdência, muitas vezes incompreensíveis, acaba nos deixando paralisados. Quando somos colocados frente à frente com um número enorme de opções, a dúvida (ou a “preguiça” em conhecê-los mais a fundo) é tão grande que acabamos não escolhendo nenhuma.

E mesmo depois de termos decidido por uma opção, ficamos invariavelmente com aquela impressão ingrata de termos feito a escolha errada.Parace que sempre a “outra” alternativa está rendendo mais. Por quê? Pois não há opção 100% correta e sempre pensamos no que “deixamos de ganhar” na outra opção … é mais ou menos a mesma sensação do “a fila do lado sempre anda mais rápido”.

Se você já teve esta sensação, não se sinta sozinho. Isto acontece com muitas pessoas, e não somente no caso dos investimentos. Pense nas diversas opções que temos no momento da compra de qualquer produto. Por exemplo, comprar um simples LEITE pode ser um exercício de análise e tomada de decisão que colocaria a prova os mais experientes presidentes de empresas!

Senão, vejamos: temos os leites em saquinho em uma grande variedade de tipos (integral, leite C, leite B). Mas podemos optar pelos leites em pó, que se apresentam em integrais, desnatados, semi-desnatados, lights, com ou sem lactose, etc. E há também os leites “longa vida”, que além de poderem ser desnatados, semi-desnatados, integrais ou light, também são oferecidos com cálcio, ou ferro, ou com vitaminas A e D, ou com fibras. E para cada uma destas opções, há outra variedade de marcas e fabricantes!

Outro bom exemplo seriam os aparelhos eletrônicos, onde a variedade de opções e configurações se soma à incrível rapidez com que novos e mais modernas versões são lançadas ao público.

Na área de produtos financeiros, não é diferente. Sempre achamos que a parte mais difícil desta história é conseguir conter as despesas para fazer a “grana” sobrar. E que a parte do investimento e do rendimento dodinheiro é a mais fácil e prazerosa. Bem, esta é uma meia-verdade. O controle de gastos é realmente daquelas atividades necessárias porém nada agradáveis … muito ao contrário de ver os juros serem depositados todo mês em nossa conta.

Porém, escolher o investimento mais adequado também exige uma boa dose de dedicação e conhecimento! Ou, em outras palavras, não é uma boa estratégia esperar que outros decidam sobre qual seria o melhor investimento para você. A responsabilidade é sua, a decisão final, seja ela boa ou não tão boa, deve ser tomada por você.

A melhor aplicação para o seu suado dinheiro irá depender muito do valor a ser investido, dos objetivos e perfis de risco cada um, da liquidez desejada, da diversificação almejada, do momento de vida pelo qual estão passando … só para citar alguns fatores a ser analisados. Esta é a fase mais “pessoal” da análise.

Depois disso é preciso estudar o que o mercado está oferecendo, quais as taxas cobradas,qual as instituições mais sérias, etc.

Mas não se desespere. Afinal, você não se estressa na hora que tem que comprar o leite, certo? Da mesma maneira, o maior conhecimento do mercado financeiro lhe trará a tranqüilidade para tomar as decisões sem grandes esforços!