Dicas medíocres de investimento podem gerar rendimentos medíocres também. Porém, muitas vezes estes rendimentos medíocres são mais do que suficientes para que você forme uma poupança, tenha uma reserva contra imprevistos e equilibre as suas Finanças Pessoais.

Quando pensamos em investimento, logo vem a ideia de que é preciso operações complexas e muita matemática financeira para se ganhar um bom dinheiro. Isso continua sendo verdade, mas não é o único caminho para uma vida financeira balanceada.

As regras dos investimentos medíocres são sempre diretas e simples. Não é preciso fazer um Mestrado ou Doutorado para entendê-las. Mas não se iluda: foco e disciplina ainda são essenciais para colocá-las em prática.

Analise as dicas abaixo: você realmente está praticando estas regras que parecem ser fáceis de seguir?

1. Diversifique o seu Portfólio

Não coloque “todos os seus ovos em uma cesta só”, mesmo que esta cesta pareça ser a mais “promissora”.

regras_iniciante_interior

Esta diversificação pode ser realizada sob diferentes perspectivas:

– Risco: quanto maior o risco, maior a possibilidade de retorno … mas em caso de prejuízo o tombo pode ser maior. Analise o seu perfil de investimento e distribua seus investimentos de acordo com o risco que você aceita correr. Por exemplo, pessoas mais conservadoras podem investir 10% em renda variável e o resto em renda fixa.

– Liquidez: parte do seu dinheiro deve ser aplicado em investimentos que possam ser resgatados praticamente de forma imediata, para cobrir eventuais necessidades. Também avalie se você irá precisar de algum desembolso maior no futuro próximo (como a compra de um carro ou imóvel).

– Instituições Financeiras: ter todo o seu dinheiro em somente uma instituição é mais prático (você não precisa guardar várias senhas ou ter vários cadastros) e pode até reduzir as taxas bancárias pelo maior relacionamento. Mas uma eventual ‘quebra’ da instituição pode complicar bastante a sua vida.

2. Busque investimento com baixas taxas de administração

Esta dica vale principalmente para os investimentos de baixo risco, como os fundos de renda fixa e Tesouro Direto, muito procurado pelos investidores mais iniciantes.
Como a rentabilidade destas aplicações não é alta, as taxas de administração cobradas podem fazer a diferença entre um bom e um péssimo retorno.

A diferença pode ser pequena, por exemplo taxas de 0,5% e 1,5% ao ano não parecem ser muito diferentes, ainda mais quando o valor investido é baixo. Mas não caia nesta: no longo prazo, o famoso ‘juros sobre juros’ vai cobrar uma parcela significante dos seus lucros.

3. Reavalie o seu Portfólio anualmente.

Por preguiça ou falta de tempo, muitas vezes deixamos os nossos investimentos ‘em berço esplêndido’ por um tempo muito grande. Mas a economia muda diariamente e novos produtos financeiros são lançados a todo momento

Acostume-se a fazer um ‘check-up’ do seu Portfólio anualmente, da mesma maneira que você ‘deveria’ fazer com sua saúde.