Sempre é o momento. Na verdade, é preciso cuidar de seus investimentos como quem cuida de um bebê bem pequeno: ele exige atenção e acompanhamento para que se desenvolva da melhor forma possível, e de acordo com o meio ambiente ao seu redor. E, ao mesmo tempo, é necessário um olhar de longo prazo, buscando atividades hoje que vão impactar o seu futuro.

Sob este ponto de vista, estamos vivendo um momento econômico que realmente exige uma atenção maior às suas Finanças: os maiores ganhos (e as maiores perdas também) acontecem nos momentos de ‘virada’ da economia … e, provavelmente, estamos vivendo exatamente esta ‘virada’.

Vamos analisar 2 tópicos básicos para os quais você deve estar bem atento.

1. Alteração nas taxas de juros

Até poucos meses atrás tínhamos uma taxa de juros exorbitante, com a SELIC chegando a 14,25% ao ano. Aliado à economia fraca, o que empurrava os investimentos em renda variável para baixo, estimulava as aplicações em renda fixa (como fundos DI e Renda Fixa, Tesouro Direto e CDBs). E esta estratégia realmente fazia sentido.

reorganizar_investimento_interior

Mas, a situação mudou radicalmente, trazendo a SELIC para os atuais 12,25%. E a tendência é que esta queda continue, já que a inflação parece estar controlada.

Neste cenário, o que fazer com os seus investimentos? De uma maneira mais simplista, há duas análises que podem ser feitas:

– Para aqueles que têm investimentos com juros Pré-fixados, como alguns títulos do Tesouro Direto (LTN e mesmo os NTNB), o mais recomendável seria tentar mantê-los em seu portfólio. Isto porque você provavelmente não conseguirá outras opções que tenham este rendimento baseado nas taxas de juros do passado (bem altas).

– Já os que têm investimentos que acompanham a SELIC, como alguns tipos de CDBs, LCIs e LCAs, bem como fundos DI, é preciso um pouco mais de análise. Com a queda dos juros no mercado, o seu rendimento também será menor. Porém, lembre-se também que a inflação está em queda forte, fazendo com os “Juros Reais” destes investimentos ainda não sejam tão ruins.

2. Melhoria da economia

Além da análise feita no tópico acima, é preciso considerar que uma outra tendência é de melhora nos indicadores econômicos do país. Não estamos falando de crescimento relevante no curto prazo, mas sim, de uma melhor trajetória para o futuro.

Neste cenário, as aplicações em renda variável tendem a ter ganhos maiores. A questão é que o chamado ‘mercado’ antecipa esta tendência de alta, razão pela qual o Índice Bovespa apresentou um ganho muito grande nos últimos meses.

Se considerarmos que a economia realmente vai continuar crescendo, uma estratégia saudável seria trocar parte dos investimentos em renda fixa e direcionar para a renda variável. Porém, há alguns pontos a se considerar:

– O mercado de renda variável sempre ‘antecipa’ o futuro, por isso já houve ganhos relevantes. Se você decidir aplicar neste mercado neste momento, pode ser que você já esteja um pouco atrasado, o que significa ganhos potenciais menores ou até mesmo perdas.

– Há ainda muita instabilidade política e incertezas no cenário interno e externo, ou seja, a tão esperada retomada do crescimento pode não acontecer … ou no mínimo demorar mais do que se espera.

Estas considerações realmente são ‘um pouco em cima do muro’, mas, neste caso, é melhor passarmos uma visão mais conservadora a você do que prometer lucros fáceis. Não deixe de estudar mais sobre este tópico e prepare-se para quando a nuvem de incerteza atual começar a dissipar.