Pesquisa recente do Simpi (Sindicato da Micro e Pequena Indústria do Estado de São Paulo) /Datafolha, indicou que cerca de 40% dos dirigentes de micros e pequenas indústrias de São Paulo procuram linhas de crédito da pessoa física para conseguir capital de giro.

Pode ser que que este fato seja causado pelas dificuldades de acesso ao crédito para pessoa jurídica. Mas de qualquer forma, este fato demonstra uma das grandes dificuldades do pequeno empresário: separar as Finanças Pessoais das Finanças da Empresa.

As pequenas empresas se caracterizam por possuirem poucos funcionários e recursos escassos. É onde ‘todo mundo faz de tudo’, principalmente o(a) dono(a): ele(a) vende, entrega, produz, atende o cliente e o telefone, vai no banco e cuida do financeiro! E com tanta coisa para fazer, geralmente não dá tempo para organizar as finaças pessoais. E é aí que as contas começam a se misturar.

Alguns exemplos:
– Faltou um dinheiro para fazer supermercado? Pega um dinheiro do caixa da empresa, que sobrou no final do dia, para não ter que ir ao caixa eletrônico.
– A empresa está precisando de um pequeno ‘empréstimo’ por uma semana? Use aquele dinheiro que está no investimento ou mesmo o cheque especial … da ‘pessoa física’.

Não é exatamente um pecado usar dinheiro pessoal na empresa, e vice-versa. Afinal, no final “tudo sai do mesmo bolso”. Mas é preciso ter um controle rígido sobre estes valores e encarar cada uma das ‘Pessoas” (a Pessoa Física e a Pessoa Juridica) como entidades totalmente separadas entre si. Se você toma dinheiro de sua conta pessoal do banco e usa na empresa, isto tem que ser contabilizado como um empréstimo ou como uma integralização de capital.

Caso isso não ocorra, o grande problema é que fica muito difícil saber de onde está dinheiro vindo … ou pior, onde se está perdendo dinheiro!

Se a situação financeira estiver boa, será que é a sua empresa que está gerando dinheiro? Ou é o seu controle nas finanças e investimentos pessoais que estão gerando bons lucros?

E se a situação financeira estiver ruim, será que são os negócios que não vão bem? Ou a empresa está dando lucro, mas todo o dinheiro ganho está sendo gasto em despesas pessoais?

Não tem jeito: por mais que a vida do pequeno empresário seja desafiador e existam mutias atividades a realizar, é imprescindível separar as Finanças Pessoais das Finanças da Empresa.

E você, já começou?