A volta da inflação parece ser um dos grandes assuntos econômicos atuais. Mas como isso pode influenciar a sua vida, na prática?

Por exemplo, suponha que você esteja querendo trocar a sua geladeira. Então, ao abrir os jornais ou assistir ao noticiário da TV, você é inundado por notícias sobre um eventual aumento da inflação, proximidade de reajuste salarial de categorias sindicais fortes, aumento no custo do aço, aumento no custo da energia, e por aí vai. E estas mesmas notícias prevêem que isto pode levar o governo a ter que continuar com sua política de aumento dos juros e restrição de crédito.

E então você pensa: será que vale a pena trocar a geladeira agora, antes que a inflação faça o seu preço subir ainda mais?

Como sempre, não há uma única resposta correta, mas há alguns fatores a serem considerados. Em primeiro lugar, só pense em trocar de geladeira se você realmente precisar! Nenhum desconto, promoção ou expectativa de inflação justifica a compra de algo desnecessário. Mesmo se você tiver um dinheiro “sobrando”, não caia em tentação: faça um investimento para manter o seu poder de compra no futuro e ainda ganhe com o efeito dos “juros compostos”, fazendo o dinheiro trabalhar para você. E se os juros subirem, seu dinheiro vai render ainda mais.

Mas, caso você precise mesmo trocar de geladeira no curto prazo, há duas possibilidades. Se você puder pagar à vista, não se afobe! Pesquise bastante (use também a internet para isto, além de visitar as lojas) e negocie um bom desconto pelo pagamento à vista. Não compre algo além do realmente necessário! Se você não puder pagar à vista, além das dicas anteriores, procure financiar o menor valor e pelo menor prazo possível. Mas lembre-se que isto deve ser feito somente em último caso, ou seja, caso realmente não possa mais adiar a compra.”