Pergunta: Olá. Sou leitor desse jornal e de sua coluna. Preciso realmente de uma ajuda. Estou com 62 anos, tenho uma aposentadoria no valor de R$ 804 e enfrento uma situação séria de saúde. Estou com dívidas no cartão de uma rede de supermercado no valor de R$1.100. Em uma financeira, devo mais quase R$ 3.000. E, no banco, devo mais 12 parcelas de R$ 700. Ainda estou com o nome sujo no SPC e SERASA. Por isso, peço uma solução para mim. Obrigado. (J.D.)

Resposta:
As finanças pessoais têm um ponto em comum com a nossa saúde: quanto antes detectarmos os problemas e assumirmos as ações necessárias, maior a probabilidade de encontramos boas soluções. A situação das suas finanças é crítica, mas tenha forças, pois sempre há uma saída.

Pelo fato de seu nome estar no SPC e SERASA, você provavelmente não conseguirá obter mais crédito na maioria das instituições financeiras, e as renegociações de suas atuais dívidas serão mais difíceis. Assim, de agora em diante, você só poderá contar com o seu salário de aposentadoria para viver.

Por isso é muito importante que você controle ao máximo o uso de seu dinheiro (anotando e planejando todos os gastos), cortando todo e qualquer gasto desnecessário e procurando poupar o que puder para eventuais imprevistos ou, quem sabe, pagar as suas dívidas e limpar o seu nome no futuro. Caso consiga obter alguma renda extra, procure poupá-la também e, assim, formar um colchão de segurança o mais rápido possível.

Uma dica que pode ser útil, se é que você já não usufrui deste benefício, é relativa a remédios, que podem representar uma parcela significativa de seus gastos. Consulte o programa do governo federal de Farmácia Popular para procurar obter, sem custo, os medicamentos de que necessita.