A inflação medida pelo IPCA para o mês de abril, divulgada no dia 10 de maio, veio abaixo das expectativas de mercado: +0,14%, o que vem a ser a menor variação para o mês de abril desde o início do Plano Real. Com isto, a inflação acumulada em 12 meses ficou em 4,08%, menor patamar desde julho de 2007, quando ficou em 3,74%.

No gráfico abaixo, exibimos as variações mensais do IPCA para os meses de abril desde o ano de 1995.

 

IPCA – variações em abril – 1995 a 2017

IPCA – variações em abril – 1995 a 2017

 

Esta variação mensal do IPCA de 0,14% é a menor desde setembro 2016, como pode ser visto no gráfico a seguir.

 

IPCA variação mensal – abr 17

IPCA variação mensal – abr 17

 

No entanto, como a variação de abr-16 foi de 0,61%, a variação acumulada em 12 meses caiu significativamente do mês passado para cá, indo de 4,57% para apenas 4,08%, valor significativamente abaixo do centro da meta de inflação.

 

IPCA variação 12 meses – abr 17

IPCA variação 12 meses – abr 17

 

Habitação foi o grupo com maior recuo no mês

Habitação foi o grupo que teve o maior recuo na inflação de abril com -1,09% e impacto negativo mais expressivo, com -0,17%. Isto decorreu principalmente da queda de 6,39% no item Energia Elétrica, por conta dos descontos aplicados sobre as contas de luz pela Aneel. Os grupos Artigos de Residência e Transportes também apresentaram recuo, -0,28% e -0,06%, respectivamente.

Saúde e Cuidados Pessoais, por outro lado, apresentou alta de 1,00%, sendo o grupo que mais pressionou a inflação com impacto de 0,12%, Dentro deste grupo, o item Medicamentos foi o principal vilão, com alta de 1,95% na média do País. Alimentação e Bebidas também apresentou alta expressiva, de 0,58%, tendo Tomate e Bata-Inglesa como principias vilões, com altas de 29,02% e 20,81%, respectivamente.

 

IPCA variação mensal por grupo – abr 17

IPCA variação mensal por grupo – abr 17

 

Brasília foi a região com maior inflação no mês

Enquanto Salvador (-0,22%), Campo Grande (-0,13%) e Belo Horizonte (-0,08%) apresentaram recuo na inflação, Brasília (+0,54%), Recife (+0,49%) e Rio de Janeiro (+0,38%) foram as regiões que mais pressionaram a inflação.

 

IPCA variação mensal por região – abr 17

IPCA variação mensal por região – abr 17

 

Saúde e Cuidados Pessoais é o grupo com maior alta nos últimos 12 meses

Com uma alta de 8,91%, o grupo Saúde e Cuidados Pessoais é o principal vilão nos últimos 12 meses, seguido por Educação, com aumento de 8,12%. Nos 12 meses imediatamente anteriores, os dois grupos também tiveram as maiores altas. Por outro lado, Artigos de Residência foi o grupo com a menor variação: 0,46%, seguido de Transportes, com 1,68%. Nos 12 meses imediatamente anteriores, Artigos de Residência (+1,00%) e Transportes (+1,77%) foram os grupos com menor variação.

 

IPCA variação 12 meses por grupo – abr 17

IPCA variação 12 meses por grupo – abr 17

 

Fortaleza foi a região metropolitana com maior alta nos últimos 12 meses

Com uma variação acumulada de 5,86%, Fortaleza é a “campeã” de inflação nos últimos 12 meses, ao passo que Goiânia foi a região com a menor variação neste período: 2,30%, seguida de Curitiba com 2,48%. Na comparação com os 12 meses imediatamente anteriores, apenas Brasília teve variação positiva, alta de 4,62% nestes últimos 12 meses contra 4,51% nos 12 meses anteriores.

 

IPCA variação 12 meses por região – abr 17

IPCA variação 12 meses por região – abr 17

 

Combustíveis é o item que apresentou a maior variação de preços desde o início do Plano Real

No período desde o início do Plano Real até abril de 2017, o item Combustíveis é o maior vilão da inflação, com alta de 1.260,29%, seguido de Aluguel e Taxas com alta de 1.073,16%. Por outro lado, o item TV, Som e Informática, apresenta deflação neste mesmo período com queda de -37,78%, aliás o único item com deflação.

Já nos últimos 12 meses, Plano de Saúde teve a maior variação, com alta de 13,57%, seguido por Pescados com 11,26% e Fumo com 11,12%. Os itens com menores altas em 12 meses são Tubérculos, Raízes e Legumes, com -26,58%, seguido de Hortaliças e Verduras (-11,05%) e Energia Elétrica Residencial (-6,41%).

Neste ano de 2017, Tubérculos, Raízes e Legumes é o item com maior alta: 14,96%, seguido por Hortaliças e Verduras, com 11,72%. Na ponta oposta, temos Cereais, Leguminosas e Oleaginosas, com recuo de -12,74%, seguido por Combustíveis, com -3,59%.

 

IPCA maiores e menores altas por item – abr 17

IPCA maiores e menores altas por item – abr 17

 

Feijão-Mulatinho tem alta de 62,72% em 12 meses

No mês de abril, Tomate, Batata-Inglesa e Tubérculos foram os subitens com as maiores altas: 29,02%, 20,81% e 16,95%, respectivamente. Já Inhame, Transporte Hidroviário e Feijão-Preto, com -15,38%, -14,48% e -8,29%, foram os subitens com as maiores baixas.

No ano, Tomate, Manga e Cenoura foram os subitens com as maiores altas: 34,45%, 32,64% e 28,03%, respectivamente. Já Abacate, Limão e Inhame, com -49,38%, -47,80% e -31,81%, foram os subitens com as maiores baixas.

Em 12 meses, Feijão-Mulatinho, Multa e Creme de Leite têm altas, respectivamente, de 62,19%, 54,20% e 39,28%. Por outro lado, Cebola, com -46,95%, Cenoura, com -45,28%, e Pimentão, com -41,65%, apresentam as maiores baixas.

 

IPCA maiores e menores altas por subitem – abr 17

IPCA maiores e menores altas por subitem – abr 17