A inflação medida pelo IPCA para o mês de novembro, divulgada em 8 de dezembro, veio abaixo das expectativas de mercado: +0,28%. O principal responsável pela alta foi o aumento médio de 4,21% da energia elétrica, com a entrada em vigor de cobrança adicional de R$ 5,00 a cada 100 Kwh consumidos. A inflação acumulada nos últimos 12 meses passou para 2,80% e para 2,50% no acumulado do ano, menor variação para os onze primeiros meses do ano desde 1998 (+1,32%).

Na comparação dos meses de novembro, a variação de 0,28% deste ano é a 4ª menor desde o início do Plano Real. Em novembro de 2016, a variação havia ficado em +0,18%.

 

IPCA – variações nos meses de novembro – 1994 a 2017

IPCA – variações nos meses de novembro – 1994 a 2017

 

No gráfico abaixo, temos as variações mensais dos últimos 5 anos. A variação de novembro de 2017 ficou abaixo da variação de +0,42% de outubro, sendo a 5ª maior variação do ano.

 

IPCA variação mensal

IPCA variação mensal

 

Com a variação de novembro passando de 0,18% em 2016 para os 0,28% de 2017, a variação acumulada em 12 meses subiu um pouco, indo de 2,70% nos 12 meses encerrados em outubro 2017 contra 2,80% agora, valor que continua abaixo do limite inferior da meta de inflação para o ano de 2017. Nos 12 meses encerrados em nov-16, a variação havia sido de 6,99%.

 

IPCA variação 12 meses

IPCA variação 12 meses

 

Habitação foi o grupo com maior alta no mês

Novamente, Habitação foi o grupo que teve a maior alta na inflação do mês com 1,27% e impacto positivo mais expressivo, com +0,20 pontos percentuais. Os principais vilões neste grupo foram a energia elétrica, com alta de 4,21% e o gás de botijão, com alta de 1,57%. Artigos de Residência e Alimentação e Bebidas, por outro lado, apresentaram recuo de -0,45% e -0,38%, respectivamente. Os alimentos para consumo em casa recuaram -0,72% no mês, recuo maior do que o registrado no mês anterior: -0,17%.

 

IPCA variação mensal por grupo – novembro 2017

IPCA variação mensal por grupo – novembro 2017

 

Goiânia foi a região com maior alta da inflação no mês

Com alta de 0,96%, Goiânia foi novamente a região com a maior variação da inflação, por conta principalmente do aumento da energia elétrica (14,40%) e dos combustíveis (5,03%). 5 regiões registraram deflação no mês: Vitória (-0,03%), Belo Horizonte (-0,08%), Curitiba (-0,15%), Fortaleza (-0,16%) e Salvador (-0,26%).

 

IPCA variação mensal por região – novembro 2017

IPCA variação mensal por região – novembro 2017

 

Educação é o grupo com maior alta nos últimos 12 meses

Com uma alta de 7,02%, o grupo Educação é o principal vilão nos últimos 12 meses, seguido por Saúde e Cuidados Pessoais, com aumento de 6,61%. Por outro lado, Alimentação e Bebidas foi o grupo com a menor variação: -2,32%, seguido de Artigos de Residência, com -1,81%.

 

IPCA variação 12 meses por grupo – novembro 2017

IPCA variação 12 meses por grupo – novembro 2017

 

Brasília foi a região com maior alta nos últimos 12 meses

Com uma variação acumulada de 4,31%, Brasília é a “campeã” de inflação nos últimos 12 meses, ao passo que Belém foi a região com a menor variação neste período: 1,52%, seguida de Belo Horizonte, com 1,95%, e Porto Alegre, com 2,19%. Na comparação com os 12 meses findos em novembro de 2016, o recuo da inflação foi bastante significativo em todas as regiões, notadamente Fortaleza, passando de 9,25% para 2,34%.

 

IPCA variação 12 meses por região – novembro 2017

IPCA variação 12 meses por região – novembro 2017

 

Combustíveis é o item que apresentou a maior variação de preços no mês e desde o início do Plano Real

 

IPCA maiores e menores altas por subitem – novembro 2017

IPCA maiores e menores altas por subitem – novembro 2017

 

Abacate é o subitem com maior alta no mês: +28,92%

 

IPCA maiores e menores altas por item – novembro 2017

IPCA maiores e menores altas por item – novembro 2017