A inflação medida pelo IPCA para o mês de dezembro, divulgada no dia 11 de janeiro de 2017, veio dentro do intervalo das expectativas de mercado: 0,30%, que vem a ser a menor variação para o mês de dezembro desde 2008. Com isto, a inflação acumulada no ano ficou em 6,29%, dentro do intervalo da meta de inflação.

No gráfico abaixo, exibimos as variações mensais do IPCA para os meses de dezembro desde o ano de 1994.

 

IPCA – variações em dezembro – 1994 a 2016

IPCA – variações em dezembro – 1994 a 2016

 

Esta variação mensal do IPCA de 0,30% é a quarta mais baixa do ano, como pode ser visto no gráfico a seguir. Com isto, a variação acumulada em 12 meses ficou em 6,29%, significativamente mais baixo do que o verificado em 2015, que era de 10,67%.

 

IPCA variação mensal – dez 16

IPCA variação mensal – dez 16

 

Transportes foi o grupo com a maior variação no mês

O aumento de 26,29% das passagens aéreas e de 1,75% da gasolina acabaram sendo os principais responsáveis pela alta de 1,11% no grupo Transportes. Já no grupo Despesas Pessoais, que subiu 1,01%, o aumento de 4,80% do cigarro foi o principal responsável.

Já o grupo que gerou o menor impacto na inflação foi Habitação (-0,50%), em boa parte devido à queda de 3,70% da energia elétrica. O grupo Artigos de Residência, com recuo de -0,31%, foi beneficiado principalmente com os recuos observados em TV, Som e Informática (-2,15%) e Eletrodomésticos (-0,62%).

 

IPCA variação mensal por grupo – dez 16

IPCA variação mensal por grupo – dez 16

 

Brasília foi a região com maior inflação no mês

As três regiões com maior alta na inflação em dezembro foram Brasília (+1,12%), Campo Grande (+0,70%) e Vitória (+0,63%). Por outro lado, as três regiões com as menores variações foram: Porto Alegre (-0,04%), Goiânia (+0,05%) e Curitiba (+0,14%).

 

IPCA variação mensal por região – dez 16

IPCA variação mensal por região – dez 16

 

Saúde e Cuidados Pessoais é o grupo com maior alta no ano

Com uma alta de 11,04%, o grupo Saúde e Cuidados Pessoais é o principal vilão neste ano, enquanto Comunicação foi o grupo com a menor variação: 1,27%. Em 2015, a maior alta havia sido o grupo Habitação (+18,31%), por conta principalmente da energia elétrica residencial, e a menor alta também foi Comunicação, com +2,11%.

 

IPCA variação 2016 x 2015 por grupo - dez-16

IPCA variação 2016 x 2015 por grupo – dez-16

 

Fortaleza foi a região metropolitana com maior alta em 2016

Com uma variação acumulada de 8,34%, Fortaleza é a “campeã” de inflação no ano, ao passo que Curitiba foi a região com a menor variação em 2016: 4,43%, seguida de Vitória com 5,11%. Em 2015, Curitiba havia sido a região com a maior alta: 12,58%, enquanto Belo Horizonte tinha sido a região com a menor variação: 9,22%.

 

IPCA variação 2016 x 2015 por região - dez-16

IPCA variação 2016 x 2015 por região – dez-16

 

Combustíveis é o item que apresentou a maior variação de preços desde o início do Plano Real

No período desde o início do Plano Real até dezembro de 2016, o item Combustíveis é o maior vilão da inflação, com alta de 1.214,68%, seguido de Aluguel e Taxas com alta de 1.059,02%. Por outro lado, o item TV, Som e Informática, apresenta deflação neste mesmo período com queda de -35,77%.

Já nos últimos 12 meses, os quatro itens com maiores altas são todos relacionados a alimentos. Cereais, Legum., Oleagin apresenta alta de 31,19%. Os itens com menores altas em 12 meses são Tubérculos, Raízes e Leg. Com -26,55%, seguido de Energia Elétrica Residencial (-10,66%) e de Hortaliças e Verduras (-4,94%).

 

IPCA maiores e menores altas por item – dez 16

IPCA maiores e menores altas por item – dez 16

 

Feijão-Mulatinho tem alta de 101,59% no ano

No mês de dezembro, Abacate, Passagem Aérea e Banana-Prata foram os subitens com as maiores altas: 26,59%, 26,29% e 12,77%, respectivamente. Já Batata-Inglesa, com -16,12%, Feijão-Carioca, com -13,77%, e Manga, com -8,13%, foram os subitens com as maiores baixas.

No ano, Feijão-Mulatinho, Feijão-Preto e Tangerina têm altas, respectivamente, de 101,59%, 78,05% e 74,47%. Por outro lado, Cebola, com -36,50%, e Batata-Inglesa, com -29,03% apresentam as maiores baixas no ano. Excetuando-se subitens do grupo Alimentação e Bebidas, Energia Elétrica Residencial é o que teve a maior deflação em 2016: -10,66%

 

IPCA maiores e menores altas por subitem – dez 16

IPCA maiores e menores altas por subitem – dez 16