A inflação medida pelo IPCA registrou mais uma alta expressiva neste ano de 2015: 1,32% em março, conforme divulgação realizada pelo IBGE no dia de hoje. Com as altas de 1,22% em fevereiro e 1,24% em janeiro, o IPCA já acumula variação de 3,83% no ano e 8.13% em 12 meses.

Esta alta de 1,32% em mar/15 é a maior variação mensal desde fevereiro de 2003, no início do governo Lula, quando a inflação (e a economia) ainda apresentava reflexos da crise decorrente da eleição de 2002. O gráfico abaixo mostra as variações mensais do IPCA no período de 2003 até hoje.

 

IPCA mar-15 - variações mensais

IPCA mar-15 – variações mensais

 

Já a variação de 8,13% nos últimos 12 meses não era atingida desde dezembro de 2003, quando esta métrica apresentou 9,28%, conforme mostramos abaixo. Além disto, a variação em 12 meses supera em muito o limite superior de 6,5% da meta de inflação. Com 3,83% de variação em apenas 3 meses, a meta de inflação de 4,5% para este ano de 2015 possivelmente será superada já no próximo mês. Basta ocorrer uma alta superior a 0,65% em abril.

 

IPCA mar-15 - variações em 12 meses

IPCA mar-15 – variações em 12 meses

 

A variação de preços relacionados a Habitação (5,29%) foi a principal responsável pela alta recorde do IPCA de março de 2015. O grupo seguinte foi Alimentação e Bebidas com alta de 1,17% e Educação com 0,75%.

 

IPCA mar-15 - variação no mês por grupo

IPCA mar-15 – variação no mês por grupo

 

Neste ano de 2015, a alta de 3,83% do IPCA também teve como principal componente o grupo Habitação com 9,15%, seguido pelo grupo Educação com 7,00% e Transportes com 4,55%.

 

IPCA mar-15 - variação no ano por grupo

IPCA mar-15 – variação no ano por grupo

 

Já para o período de 12 meses, o grupo Habitação também foi o que exerceu maior pressão sobre o IPCA com alta de 16,82%, seguido novamente pelo grupo Educação com 8,31% e Alimentação e Bebidas com 8,19%.

 

IPCA mar-15 - variação em 12 meses por grupo

IPCA mar-15 – variação em 12 meses por grupo

 

O grande vilão da inflação nestes 3 períodos analisados (no mês, no ano e em 12 meses) foi a energia elétrica residencial. Mais da metade da inflação de março foi causada por este item, cujo aumento de 22,08% no mês gerou uma alta de 0,71% no IPCA. Os aumentos extras das contas de energia elétrica neste mês foram originadas pela revisão da tarifas aprovada em 02 de março pela ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) com o objetivo de cobrir custos extras das concessionárias com a compra de energia.

 

IPCA mar-15 - energia elétrica residencial

IPCA mar-15 – energia elétrica residencial

 

Enquanto a maioria das regiões teve altas acima de 20% na energia elétrica em março, Recife teve alta de apenas 0,65% graças à redução de impostos incidentes sobre este item. No ano, a alta na média nacional foi de 36,34% e, em 12 meses, de 60,42%. Nas regiões, a maior alta no ano foi em São Paulo com 48,21% e, em 12 meses, a “campeã” foi Curitiba com 78,35%.

Com a conta de energia elétrica cada vez mais cara, vale ainda mais a pena substituir as lâmpadas incandescentes por outras mais econômicas com as de LED e as fluorescentes. Outras dicas importantes para economizar são evitar o uso de ar-condicionado e diminuir ao máximo o tempo de uso do chuveiro elétrico. Neste último caso, é possível que fique mais em conta trocá-lo por um sistema de aquecimento a gás ou mesmo solar (para quem mora em casa), ainda mais se várias pessoa morarem sob o mesmo teto.

 

 

Caso queira comentar este e outros textos, por favor, encaminhe uma mensagem para contato@minhaseconomias.com.br