Ficar rico não é fácil … se fosse fácil, não seria tão bom! E também não existem atalhos para se chegar a este objetivo; você terá que percorrer um árduo caminho até lá. Mas há maneiras de deixar esta jornada menos estressante. É só abandonar alguns hábitos que você eventualmente tenha!

Temos a impressão de que ‘abandonar’ algo é mais fácil do que ter que ‘conquistar’ algo. Mas nem sempre é assim. Veja abaixo alguns hábitos muito bons para serem abandonados de vez e diga-me se esta tarefa é ou não é difícil!

Consumismo:

Que tal deixar de vez o Consumismo de lado? Ao parar de comprar produtos e serviços sem necessidade, você certamente terá um dinheiro a mais no final do mês para investir. E, como diz o velho ditado, “Dinheiro gera Dinheiro”: você, além de economizar nos gastos, ganhará um extra com os rendimentos.

Não é preciso abdicar de todos os seus desejos de consumo. Ter um sonho ou um objetivo bem definido é extremamente importante para manter a motivação em alta.

Muito difícil se ‘desfazer’ do Consumismo? Não falamos que seria fácil … mas o resultado será excelente!

ficar_rico_interior

Visão de Curto Prazo:

Em termos financeiros, nossa visão de futuro é praticamente inexistente. Quando somos jovens nós nunca conseguimos nos imaginar velhos. Eu me lembro quando eu tinha 20 anos e olhava meus tios ou outras pessoas mais velhas, aquelas de 45 anos, e pensava … puxa, vai demorar muito para eu chegar nesta idade.

Pois é, estou com 44 anos.

Conseguir abdicar de uma satisfação do presente em favor de um futuro tranquilo é bastante complicado. Mas é um dos pilares da Educação Financeira. Não precisa exagerar e deixar de lado totalmente qualquer objetivo de curto prazo, muito pelo contrário.

O que é preciso é balancear o presente e o futuro. Mas abdicar totalmente do hábito de só tomar as decisões baseadas na satisfação mais imediata.

Otimismo exagerado:

Ser otimista é um dom que, pelo que todo mundo diz, todo brasileiro tem de sobra. E isto, é sim uma coisa boa: o otimismo nos torna pessoas mais felizes e esperançosas, mesmo nos momentos mais difíceis. Tenho a certeza que você já viu alguém se tratar de depressão, mas nunca vi ninguém se tratar por otimismo exagerado.

No entanto, o otimismo exagerado pode ser prejudicial, principalmente no mundo das finanças. Por um lado, reforça a “Visão de curto prazo” que descrevemos acima: o otimista acaba gastando mais no presente e poupando menos para o futuro, pois tem a certeza que nunca lhe faltará nada.

Além disso, com relação aos investimentos, o otimismo fora do normal pode nos fazer levar a correr mais riscos sem a devida análise dos seus eventuais impactos. E isto, pode sim gerar ganhos fabulosos (quanto maior o risco, maior o retorno esperado), mas também pode gerar perdas irreversíveis (quanto maior a altura, maior o tombo)!