Uma das grandes causas de dívidas das famílias é a compra desenfreada de bens que não são imprescindíveis à nossa vida. Você pode até questionar a definição do que seja “imprescindíveis à vida”, mas o fato é que estas compras podem levar (e levam …) suas finanças para o caminho do endividamento.

O que fazer para evitar isso? Bem, elaborar um orçamento doméstico, controlar as compras por impulso e sempre fazer as “3 perguntas básicas antes de qualquer compra”, são algumas das recomendações.

Além disso, uma dica que ajuda muito é analisar quais são aquelas compras que você fez no passado e que agora estão sem uso! Só então você terá a real noção de que o dinheiro gasto nestas aquisições poderiam estar em algum investimento rendendo juros ou abatendo (e quem sabe quitando) as suas dívidas!

Alguns exemplos de compras supérfluas que fazemos para a nossa casa:

Equipamento de ginástica:
Este é um exemplo clássico! A esteira ou a bicicleta ergométrica, adquiridos em um momento de grande motivação na busca de uma vida mais saudável (e alguns quilos a menos), geralmente acaba se tornando um cabide de roupas. E que cabide caro …

Algumas pessoas ainda conseguem vender o equipamento usado, mas nunca recuperam todo o dinheiro.

Não desista de perseguir uma vida com mais saúde através dos esportes e da ginástica, mas também não comprometa suas finanças na compra de equipamentos que acabam ficando sem uso!

Máquina de fazer pão:
O exemplo aqui é mais específico, mas serve também para todos aqueles aparelhos domésticos que ‘produzem’ algo: máquina de fazer sorvete, macarrão, iogurte, etc.

Após a compra, o aparelho é utilizado muito frequentemente durante cerca de … 1 ou 2 meses. Depois disso, geralmente ele fica encostado bem no fundo do armário.

TV de última geração:
Este é um exemplo um pouco diferente, já que uma TV normalmente é sempre bastante utilizada, mas será que você usa todas aquelas funcionalidades tecnológicas pelas quais você pagou (e pagou caro …)?

Resoluções altíssimas, imagens 3D, som “super surrounding”. Nem todos os programas de TV foram sequer gravados para fazer uso total destas maravilhas da tecnologia … e para ser bem sincero, mesmo se tivessem sido, talvez a diferença final para nós não seria muito grande.

O fato é que, na maioria das vezes, não vale a pena pagar pelas últimas inovações tecnológicas. Fique com algo ‘não tão moderno’ mas que lhe proporcione um bom entretenimento e economize!

E você, quais foram as suas compras que não reverteram em grande utilidade?

 

Caso queira comentar este e outros textos, por favor, encaminhe uma mensagem para contato@minhaseconomias.com.br