Será possível que seu cartão pode lhe dar uma passagem de avião para qualquer lugar da América do Sul? A resposta é SIM … porém (infelizmente sempre há um “porém”) é preciso explicar muito bem esta afirmação.

Freqüentemente o cartão de crédito é considerado um dos grandes vilões de nossa saúde financeira, afinal ele representa uma das maneiras mais simples de obtenção de crédito pessoal. A contrapartida desta facilidade são as altas taxas de juros cobradas. Assim, se mal utilizado, pode levar o seu dono a entrar em um círculo de endividamento e inadimplência: compra-se mais do que se pode pagar, o que leva à necessidade de parcelamento da fatura e à cobrança de altos juros. Os juros somam-se às compras do próximo mês e isto vira uma “bola de neve” com graves consequências financeiras.

Por outro lado, você pode obter vários benefícios com o seu cartão de crédito. Por exemplo, concentrar o pagamento das despesas em somente uma data do mês (melhorando o seu fluxo de caixa), comprar em parcelas sem juros (geralmente somente para compras de maior valor), ter a conveniência de não precisar carregar dinheiro “vivo” na carteira, só para citar alguns.

Uma vantagem em especial é a possibilidade de juntar “pontos de fidelidade” de acordo com os gastos pagos com o cartão. Estes “pontos” podem então ser trocados por uma série de produtos e serviços, inclusive passagens de avião (mais especificamente, as milhas que dão direito às passagens).

Que tal então calcular, na prática, quanto tempo levaria para juntar os pontos necessários?

Vamos considerar que você precisará de 20.000 milhas para uma viagem de ida e volta (quantidade que a maioria da companhias aéreas cobra para viagens dentro da América do Sul), o que usualmente lhe “custará” 20.000 pontos de fidelidade do seu cartão. Supondo que cada ponto é obtido com gastos de R$1,70 (em geral, cada dólar gasto gera um ponto, mas há cartões que dão 1,5 ou até 2 pontos) , temos a seguinte tabela:

cartao_viagem

Como já era esperado, quanto mais você gastar, mais rápido conseguirá a sua passagem de “graça”. Mas cuidado!

  • Em primeiro lugar, é preciso ter a consciência de que nada é realmente “de graça”. Na verdade, você está “pagando” esta passagem indiretamente, através da sua anuidade do cartão e das compras que está fazendo.
  • Não caia na tentação de aumentar suas compras simplesmente para acumular mais pontos. Ou, de aliviar a sua culpa por ter comprado algo sem necessidade com a frase “Pelo menos estou ganhando mais pontos no cartão”. Lembre-se que manter o equilíbrio financeiro vale mais que qualquer benefício do cartão.

Mas há maneiras de acumular mais pontos sem precisar comprometer as suas finanças. Aí vão algumas dicas:

  • Concentre suas compras em apenas um cartão. Além de lhe ajudar a conquistar sua viagem mais rapidamente, isto também poderá contribuir na obtenção de descontos na anuidade. Sem falar no menor risco de perder o controle de suas finanças devido às compras em vários cartões.
  • Na mesma linha de raciocínio, procure emitir cartões adicionais para a sua família (ao invés de cada um usar o seu próprio). A fatura de todos os cartões será única, aumentando os pontos obtidos.
  • A concorrência neste mercado de cartões de crédito é grande e as opções são inúmeras. Assim, faça uma pesquisa detalhada antes de se decidir pelo seu. Escolher um cartão de crédito que ofereça as melhores vantagens (como mais pontos por cada real gasto e não expiração dos pontos acumulados) é uma estratégia, mas não se esqueça de comparar também valores de anuidade.

Animado? Então não se esqueça de usar o seu cartão da próxima vez que fizer uma compra. Já pensou se fosse possível comprar um carro no cartão? Provavelmente você ficaria muito mais próximo dos pontos necessários …

Por fim, nunca deixe de analisar se a compra em questão é realmente necessária e se está dentro do seu orçamento. Caso contrário, será a viagem de “graça” mais cara de sua vida!