Final de semana chegando, ótima desculpa para sair com os amigos, ir a um restaurante ou bar para bater um papo, dar risada e se divertir. Excelente, não? Mas como nem tudo são flores, chega o momento do pagamento e aí começa um dos grande dilemas de nossa vida:

Como dividir a conta?

O nosso primeiro impulso seria dividir igualmente o valor total das despesas pelas pessoas que estão na mesa, solução esta realmente bem simples e fácil. Porém não exatamente a mais justa. O que dirá aquela pessoa que pediu o prato mais barato? Ou aqueles que não beberam as várias caipirinhas ou outras bebidas alcoólicas que geralmente são bem mais caras que o suco ou refrigerante?

 

Como dividir a conta do bar ou do restaurante?

Como dividir a conta do bar ou do restaurante?

 

Em situações como esta, os seres humanos civilizados (ou seja, nós) costumam aplicar o que chamamos de “bom senso”. Se a diferença de preço entre os vários pedidos não for muito grande, não há problema nenhum em dividir a conta igualmente. Caso contrário, estipula-se alguma divisão mais equilibrada, mas sem a necessidade de se fazer um “cálculo exato, até os centavos”.

Mas nem sempre nossos comportamentos são tão civilizados assim. E é até possível identificar alguns perfis mais comuns que surgem nestes momentos, o que vamos tentar caracterizar e descrever a seguir.

O perfil mais fácil de identificar é o “Mão de Vaca”. Você pode notá-lo sempre chegando mais tarde ao encontro, pedindo somente um refrigerante e saindo cedo, não sem antes deixar o dinheiro contado de seus gastos (afinal ele é um mão de vaca, mas não um “aproveitador”). Prefere comparecer somente quando há a famosa comanda individual ou, claro, quando o evento é “boca livre”.

O “Justo”: conversa pouco, mas fica o tempo todo observando o que cada um pede.Quando a conta chega, confere os valores (e o número de cervejas pedidas) e faz a divisão de exata de cada um.

Já o “Aproveitador” pede de tudo, toma várias bebidas e tem como lema de vida a frase “Divide tudo igual para todo mundo, é mais fácil!”. Procura não participar dos mesmos encontros que o “Justo”, com o qual já teve algumas discussões fervorosas.

Tem também o “Vai com os outros”, ou seja, espera para ser o último a fazer o seu pedido pois isto lhe permite seguir a média do pessoal. Assim, se no final dividirem igualmente, não vai sair perdendo tanto.

E o “Gastão” é aquele que sempre quer pagar para todo mundo, entrega o cartão de crédito e nem se preocupa em olhar o valor cobrado (este comportamento é mais exacerbado quanto maior o grau etílico em que se encontra a pessoa). Coincidentemente, é sempre lembrado e “querido” por todos os amigos…

Há que se dizer que cada pessoa assume um certo perfil com mais freqüência, mas isto não é algo fixo. Vai depender muito da situação financeira de cada um. Por exemplo, um “Gastão” se torna rapidamente um “Mão de vaca” em tempos de aperto financeiro!

E você, conhece algum perfil diferente?