Você já deve ter lido ou escutado várias vezes sobre as vantagens e desvantagens de se utilizar o Cartão de Crédito. Assim, você já deve saber que o Cartão pode ser um vilão ou o herói de suas Finanças Pessoais: isso irá depender de como você o utiliza. O que queremos fazer aqui é mostrar algumas situações práticas do uso do Cartão de Crédito.

E acompanhar o comportamento mais apropriado considerando dois tipos de pessoas: uma que está com as Finanças em dia e outra que já tem algumas dívidas no próprio cartão de crédito.

Cenário:
João e Carlos trabalham na mesma empresa e possuem cargos similares. O salário não é alto, assim nenhum dos dois tem ‘dinheiro’ sobrando, mas também não passam fome. Eles estão bem no início do mês e ainda não receberam o salário! Ou seja, já não têm muito dinheiro ‘vivo’ no bolso.

Ambos possuem neste momento um cartão de crédito e mais R$ 100 na carteira. E só! Vamos ver como eles se saem com os gastos durante o dia.

1 -Um dia na vida de João, que não tem dinheiro sobrando mas está com o orçamento equilibrado.

Sexta feira, véspera de carnaval, João acorda de manhã e, em pouco tempo, já está quase pronto para o trabalho. Mas, na hora de fazer o café da manhã percebe que está sem pão. O que fazer?

Postergando o pagamento com o Cartão de Crédito.
João decide ir tomar café na padaria da esquina. Afinal, é véspera de feriado e ele está com as contas em dia. Na hora de pagar, ele usa o cartão de crédito. Como a fatura do cartão só terá que ser paga no mês que vem, não é preciso usar o dinheiro para isso: com o cartão, ele pode ‘postergar’ o real desembolso de dinheiro.

João segue então para o trabalho e, chegando lá, qual não é a sua surpresa ao saber que é o aniversário do chefe! Ocorre então o almoço de comemoração … e, claro, o almoço é em um restaurante razoavelmente caro. João aproveita a comida, conversa bastante com o chefe e na hora de pagar, João puxa de novo o Cartão de Crédito! Se tivesse que usar o dinheiro, provavelmente ficaria com quase nada no bolso …

1001cartao_interior

Parcelando o pagamento.

Saindo do trabalho, João lembra que precisa comprar um presente para sua filha, que acabou de passar na faculdade. Ele passa em um ‘shopping center’ e procura algo bem significativo para ela, mas sem ostentação! Na hora de pagar, descobre que ele pode parcelar o valor em 6 vezes, no Cartão de Crédito, sem juros.

João volta para casa com a consciência tranquila e com os R$ 100 no bolso! Ele sabe que gastou muito hoje, mas os gastos estão dentro do orçamento. Agora é segurar um pouco os gastos até o final no mês.

2- Um dia na vida de Carlos, que já tem dívidas no Cartão de Crédito e não consegue pagar a fatura total.

Sexta feira, véspera de carnaval, Carlos acorda de manhã e demora um pouco para se aprontar para o trabalho. Mas, na hora de fazer o café da manhã percebe que está sem pão. O que fazer?

Melhor improvisar em casa mesmo.
Carlos gostaria de ir tomar café na padaria da esquina. Afinal, é véspera de feriado. Mas, como ele já tem dívidas … bem, o ideal seria não gastar nada. Ele então prepara metade de um macarrão instantâneo e como com um pouco do arroz que sobrou do dia anterior.

É dureza, mas pelo menos ele ainda tem os R$ 100 no bolso!

Carlos segue então para o trabalho e chegando lá, qual não é a sua surpresa ao saber que é o aniversário do chefe! Ocorre então o almoço de comemoração … e, claro, o almoço é em um restaurante razoavelmente caro.

Carlos gostaria muito de ir ao almoço para conseguir socializar mais com o seu chefe. Mas, ele sabe também que não pode gastar um centavo a mais … assim decide dar uma desculpa qualquer e ir almoçar em um lugar mais barato.

Parcelando o pagamento? Melhor nem comprar.
Saindo do trabalho, João lembra que precisa comprar um presente para sua filha, que acabou de passar na faculdade. Ele passa em um ‘shopping center’ e procura algo bem significativo para ela, mas sem ostentação! Sabe que não poderia gastar este dinheiro, mas a felicidade da filha vale mais do que uma dívida.

Carlos usa então os R$ 100 para pagar o presente. Infelizmente, não há desconto para pagamento à vista. O que fazer?

Apesar de ele já ter dívidas no cartão, como ele já decidiu por efetuar o gasto, o melhor, dadas as circunstâncias, é usar o Cartão para parcelar o pagamento, mas sempre procurando pagar sem juros. Pelo menos, ele alonga um pouco mais o pagamento desta despesa.

Carlos volta para casa com os R$ 100 no bolso! Ao menos ele tomou decisões que o levaram a economizar dinheiro, apesar do sacrifício. Se tudo der certo, em pouco tempo ele quitará as dívidas e poderá levar a mesma vida de João!