A inflação afeta não só o nosso poder de compra, à medida que pagamos mais pela mesma quantidade de bens e serviços, como também as nossas economias, quando nossos investimentos passam a render menos do que a inflação. Isto pode ocorrer (e ocorreu) quando as taxas de juros pagas pelas aplicações financeiras são mantidas artificialmente baixas enquanto a inflação mantém-se relativamente alta.

Particularmente, uma inflação mais alta afeta muito mais os pobres do que os ricos. Pelo lado das despesas, como os pobres gastam uma parcela muito mais significativa de seu orçamento em itens essenciais, lhes é muito mais difícil cortar gastos. Já pelo lado das receitas, mesmo que os salários sejam corrigidos pela inflação, geralmente isto é feito com base nas variações passadas. Em um cenário em que a inflação está acelerando (apresentando variação maior a cada ano), o aumento de renda acaba sendo sempre menor do que a variação dos preços de bens e serviços.

Um exemplo disto: no ano de 2013 a inflação medida pelo IPCA foi de 5,91%. Se o seu salário for corrigido neste percentual, mas a inflação já se encontra em torno de 6,5%, significa que o aumento de renda não faz frente ao aumento dos preços dos produtos.

Quanto aos investimentos, a população mais pobre, quando consegue poupar (poucos conseguem…), tem quase nenhum acesso a produtos de investimento mais rentáveis. Normalmente, são acessíveis apenas a caderneta de poupança, fundos de investimento com taxas de administração salgadas, e outros títulos de renda fixa (como o CDB) com baixa remuneração (normalmente, em torno de 80% do CDI para aplicações no valor de R$ 100). Neste caso, a única exceção talvez seja o Tesouro Direto.

Já a população mais rica, além de ter maior facilidade para trocar bens e serviços mais caros por outros mais baratos, consegue acessar produtos financeiros com melhor remuneração como fundos de investimento com taxas de administração de 0,5% ao ano, LCIs e LCAs, CDBs com taxas acima de 100% do CDI etc.

Para ilustrar um pouco esta questão da taxa real de juros, exibimos no gráfico abaixo o rendimento real mensal da poupança e do CDI, ou seja, o rendimento nominal descontada a variação da inflação (utilizamos o IPCA por ser o índice oficial). No caso do CDI, descontamos ainda o imposto de renda à alíquota de 15%. Em relação à poupança, a rentabilidade exibida a partir de jun/12 refere-se à nova regra.

 

Neste outro gráfico, exibimos as taxas reais de juros anuais, sob os mesmos critérios. No caso da poupança, apenas os rendimentos de 2013 e 2014 referem-se à nova regra. Os dados referentes a 2014 correspondem apenas ao período de janeiro a abril.

 

 

O que podemos observar claramente é que as taxas reais de juros vêm caindo significativamente ao longo dos últimos anos. Em 2014, por enquanto, mesmo com as recentes altas da taxa Selic conduzidas pelo Banco Central, as remunerações reais tanto da poupança quanto do CDI (descontado o imposto de renda) permanecem negativas.

 

Caso queira comentar este e outros textos, por favor, encaminhe uma mensagem para contato@minhaseconomias.com.br