Ao analisar a rentabilidade dos planos de previdência (PGBL ou VGBL) nos últimos meses, muita gente ficou preocupada com as baixas rentabilidades apresentadas por eles. Dentre as diversas causas, destacam-se as altas taxas de administração e de carregamento cobradas pelas EAPCs (Entidade Aberta de Previdência Complementar), principalmente para os pequenos investidores.
O que muitos investidores acabam se perguntando é se devem ou não migrar seus recursos para outro plano, ou mesmo, se devem simplesmente resgatar o dinheiro aplicado em um PGBL ou VGBL e gerir o recurso por conta própria. Comentamos abaixo vantagens e desvantagens de cada alternativa.

1. Portar para outro plano dentro da mesma EAPC

Dentro da mesma entidade há diversos planos de previdência, em geral, com taxas de administração inversamente proporcionais ao valor investido, ou seja, quanto mais dinheiro tiver para investir, menores taxas o investidor irá pagar. Assim, é muito comum que planos de previdência que aceitam valores a partir de R$ 50 acabem cobrando taxas de administração em torno de 3% ao ano e, em planos (dentro da mesma instituição) que somente aceitam valores superiores, esta taxa pode chegar a menos de 1% ao ano. Com isto, à medida que acumular recursos, é importante verificar se há possibilidade de portar seu dinheiro para um plano com menor taxa de administração. Leia mais no texto “Previdência privada. Deixar de pesquisar pode custar caro”para entender melhor o porquê de procurar investir em planos com menor taxa de administração.
Vantagem – É possível que a instituição financeira não venha a cobrar a taxa de carregamento sobre a saída de recursos. Em muitos planos de previdência, é bastante comum a cobrança de uma taxa de carregamento quando se resgata ou se porta os valores para outra EAPC antes de um determinado prazo.
Desvantagem – O investidor tem menos alternativas e poderá estar pagando taxa de administração mais alta do que em outras instituições.

 

2. Portar para outro plano em outra EAPC

Transferir o dinheiro investido em PGBL ou VGBL de uma instituição para outra passou a ser uma tarefa mais simples e rápida com a implementação da portabilidade de recursos em 2002. Vale destacar que a portabilidade somente pode ser feita para outro plano de mesma natureza.
Vantagem – Há mais alternativas de investimento a custos mais baixos.
Desvantagem – Dependendo do prazo de investimento do plano de previdência original, o investidor pode ter que pagar a taxa de carregamento de saída.

 

3. Resgatar e investir por conta própria

Investir por conta própria para garantir a sua aposentadoria pode requerer maior dedicação e estudo por parte do investidor, mas, ao menos, ele pode acabar obtendo uma rentabilidade maior, ao economizar no pagamento das taxas de carregamento e de administração. No entanto, para os que possuem menor disciplina financeira, pode ser uma péssima alternativa, pois há sempre o risco de se gastar o dinheiro investido antes do tempo.
Vantagem – Possibilidade de obter maior retorno, ao deixar de pagar as taxas de carregamento e de administração.
Desvantagens – Possibilidade de pagamento da taxa de carregamento de saída e da incidência de uma alíquota de imposto de renda mais alta (a depender do prazo de investimento e do regime de imposto de renda, progressivo ou regressivo).

 

A melhor alternativa dentre as três irá depender de diversos fatores, a saber: tipo de plano (PGBL ou VGBL), regime de imposto de renda, expectativa de rentabilidade dos fundos ligados aos planos de previdência, taxas de administração e de carregamento dos planos, rentabilidade esperada ao investir por conta própria etc. Em um próximo texto, iremos ilustrar como a decisão pode ser feita usando um exemplo.

 

Caso queira comentar este e outros textos, por favor, encaminhe uma mensagem para contato@minhaseconomias.com.br