Dizem que Dinheiro não é problema, o problema é ter pouco Dinheiro! Isso não deixa de ser verdade, mas o fato é que, seja com pouco ou muito dinheiro, temos que lidar com ele diariamente. E desse modo é inevitável que ocorram situações de estresse neste “relacionamento”!

Vamos listar algumas destas situações estressantes e dar algumas dicas para que você consiga encará-las de uma maneira diferente:

1) Não ter dinheiro para pagar as contas
Quando chega aquele boleto na sua casa pelo correio e você sabe que não tem dinheiro para pagá-lo, é inevitável que uma sensação ruim tome conta da gente. Respire fundo, levante a cabeça e não entre em desespero: a dica é sempre trocar o estresse por alguma ação concreta que vá ajudar o seu futuro financeiro!

A primeira coisa a fazer é analisar se este produto ou serviço que você está pagando é realmente imprescindível para você. Se não for (por exemplo, se for a conta de uma TV a cabo) corte o gasto imediatamente.

Se não for possível eliminar a despesa, avalie se é possível diminuir o gasto daqui para frente. Por exemplo, gastos com telefone, luz e água são importantes, mas podem ser controlados para que a conta no final do mês seja menor.

E se a conta for de algum parcelamento de uma compra feita no passado, avalie se é possível vender ou devolver o bem. Um carro pode ser trocado por outro mais barato. E uma bolsa ou um relógio podem ser vendidos pela internet, por exemplo.

2) Ter que pedir dinheiro emprestado
Esta com certeza é uma das situações mais desagradáveis que podemos passar. Se você precisa pedir dinheiro emprestado para alguém, provavelmente já chegou no “fundo do poço”, o que já não é algo bom. Além disso, terá que passar pelo constrangimento de revelar este seu problema para outras pessoas.

Mas se isto for inevitável, use esta situação a seu favor. Antes de pedir o dinheiro emprestado, prepare um plano completo para re-estabelecer o seu controle financeiro, ou seja, faça a sua lição de casa. Avalie o total de suas dívidas, renegocie-as se for possível, estabeleça um orçamento mensal, faça corte nos seus gastos e passe a fazer um controle financeiro diário. E explique todas estas ações à pessoa que lhe emprestará o dinheiro: isto fará com que ela tenha mais confiança de que o dinheiro emprestado será bem gasto e ao mesmo tempo lhe dará um boa dose de autoestima para superar esta situação!

3) Emprestar dinheiro para alguém
Pois é, mesmo os que têm uma situação financeira tranquila podem passar por algum estresse financeiro. O fato de ter que emprestar dinheiro para alguém pode ser uma das causas! Ficamos sempre na dúvida se devemos emprestar e se o dinheiro será devolvido. E também muitas vezes não temos coragem de dizer “Não”, ainda mais se quem está pedindo é um parente ou uma pessoa próxima.

É realmente uma decisão difícil. A nossa dica é que você se prepare para esta situação, antes que ela aconteça. Estabeleça para si mesmo algumas regras, por exemplo: para quem você faria um empréstimo, qual o valor máximo a ser emprestado, que condições você exigiria para realizar esta operação, etc.

E se a decisão for a de não emprestar em nenhuma hipótese, elabore as razões pelas quais você tomou esta decisão. Então, imagine-se explicando estas razões para alguém que lhe pediu o dinheiro. É um tipo de um ensaio, que vai lhe ajudar muito a manter esta posição de forma tranquila quando o caso realmente acontecer.

4)Perder dinheiro na bolsa ou outra aplicação
Mais um exemplo de que pessoas com dinheiro também podem passar por algum estresse financeiro. Perder o dinheiro que foi poupado com muita dedicação é sempre uma situação estressante.

E isto pode acontecer quando você aplica o seu dinheiro em algum investimento de alto risco (como a bolsa de valores ou câmbio) ou mesmo em algum negócio próprio. O retorno destes investimentos pode ser grande, mas a chance de você efetivamente perder dinheiro também é.

Nossa dica é seguir um dos grandes ensinamentos da educação financeira: entenda muito bem os riscos e regras de cada investimento que irá fazer. Encontre o balanceamento correto entre investimentos conservadores e de alto risco, de acordo com o seu perfil. Isso fará com que você tenha consciência dos riscos que está correndo: assim, caso o pior aconteça, você estará preparado para esta situação.